Alimentação pré-escolar e escolar


I- Pré- escolar (3 a 6 anos)

O comportamento alimentar da criança pré-escolar caracteriza-se por ser imprevisível e variável: a quantidade ingerida de alimentos pode oscilar, sendo grande em alguns períodos e nula em outro. Os pais devem aceitar este comportamento como transitório e reagirem com medidas rígidas para que isto não se transfome em distúrbio alimentar e perdure em fases posteriores.

 

Algumas dicas:

- A criança pode não aceitar novos alimentos prontamente.É necessário que você ofereça e a criança  prove  em torno de 8 a
10 vezes o alimento, mesmo que em quantidade mínima. Somente dessa forma, a criança conhecerá o sabor do alimento e estabelecerá seu padrão de aceitação.

– Criança cansada ou superestimulada com brincadeiras pode não aceitar a alimentação de imediato, assim como também, no verão, seu apetite pode ser menor do que no inverno.

– Os alimentos preferidos pela criança são os de sabor doce e muito calóricos. É normal a criança querer comer apenas doces, cabe aos pais, portanto, colocar os limites quanto ao horário e quantidade.

– Comportamentos como recompensas, chantagens, subornos, punições ou castigos para forçar a criança a comer, devem ser evitados, pois podem reforçar a recusa alimentar da criança.

– As refeições e lanches devem ser servidos em horários fixos diariamente. O intervalo entre uma refeição e a outra deve ser de 2 a 3 horas.

– Oferecer  líquidos  após a refeição, de preferência água ou sucos naturais. Os refrigerantes não precisam ser proibidos, mas devem ser ingeridos apenas em ocasiões especiais.

– A criança deve sentar-se à mesa com os outros membros da família.

– Limitar a ingestão de alimentos com excesso de gordura, sal e açúcar.

– Oferecer alimentos ricos em ferro, calcio, vitaminas A(tomate, leite, fígado, cenoura) e D(peixes, ovo ) e zinco (carne vermelha, feijão, ervilha), essenciais nesta fase da vida.

II. Escolar (7 a 10 anos)

Esse período caracteriza-se por maior atividade física, ritmo de crescimento constante com ganho mais acentuado de peso próximo ao estirão da adolescência.
O cardápio deverá ajustar-se à alimentação da família, conforme a disponibilidade de alimentos e preferências regionais. As refeições devem incluir, no mínimo, o desjejum, o almoço e o jantar. 

 


Recomendações nutricionais:

1. Ingestão de nutrientes em quantidade e qualidade adequadas ao crescimento e desenvolvimento desta faixa etária.

2. Alimentação variada, que inclua todos os grupos alimentares, evitando-se o consumo de refrigerantes, balas e outras guloseimas.

3. Consumo diário e variado de frutas, verduras e legumes, ótimas fontes de calorias, minerais, vitaminas hidrossolúveis e fibras.

4. Consumo restrito de gorduras saturadas e trans para profilaxia de aterosclerose e doença coronariana na vida adulta.

5. Controle da ingestão de sal para prevenção de hipertensão arterial.

6. Consumo adequado de cálcio para formação adequada da massa óssea e profilaxia da osteoporose na vida adulta.

7. Controle do ganho excessivo de peso através da adequação da ingestão de alimentos ao gasto energético e desenvolvimento de atividade física regular.

 



Compartilhe